Monsanto – A Aldeia mais portuguesa de Portugal

Monsanto – A Aldeia mais portuguesa de Portugal

4 Maio, 2018 0 Por Ana Carvalho

Subimos a serra da Gardunha, sempre com a serra da Estrela em pano de fundo..

As cerejeiras já a começar a rebentar, dão um toque mágico na paisagem..Seguimos em direção a Proença-a-Velha, sempre rodeados de lindas paisagens..

Passámos pelo Pelourinho de Proença..

E pelo Rio Torto..

O nosso objectivo era chegar a linda Aldeia de Monsanto, uma aldeia com tanta história e tradição..

A presença humana em Monsanto, data desde a era de Dom Afonso Henriques.

A arqueologia diz-nos que o local foi habitado pelos bárbaros, no sopé do monte. Também existem vestígios da passagem árabe. Os mouros seriam derrotados por Dom Afonso Henriques. Em 1165, o lugar de Monsanto foi doado ao rei de Portugal que, sob orientações de Gualdim Pais, mandou construir o Castelo de Monsanto. O foral foi concedido pela primeira vez em 1174 pelo Rei de Portugal e rectificado, sucessivamente, por Dom Sancho I(em 1190) e Dom Afonso II (em 1217).

Foi Dom Sancho I quem repovoou e reedificou a fortaleza que, entretanto, fora destruída nas lutas contra o Reino de Leão. Seriam novamente reparadas, um século mais tarde, pelos Cavaleiros Templários.

Em 1308, o rei Dom Dinis deu Carta de Feira. Em 1510, seria o rei Dom Manuel I a entregar de novo foral e concedendo à aldeia a categoria de vila.

Mais tarde em meados do século XVII, os espanhóis tentam cercar Monsanto, mas sem sucesso. O mesmo sucedeu um século depois, mas o exército português conseguiu derrota-los novamente.

Em 1938, ganhou o título de “Aldeia mais portuguesa de Portugal”, exibindo o Galo de Prata, troféu da autoria de Abel Pereira da Silva, cuja réplica permanece até hoje no cimo da Torre do Relógio ou de Lucano. Um pouco por toda a parte, foram depois colocadas réplicas do Galo de Prata, quer em igrejas, torres ou outros monumentos de todo o país.

Depois de um breve resumo da história desta aldeia, chegámos a Monsanto..

Um lugar lindo e único no cimo de uma pequena montanha, e lá sem saber nos deparámos com uma feira medieval, fazendo-nos recuar centenas de anos atrás..

Entrámos então na vila Medieval de Monsanto..

O nosso filho mais velho estava com vontade de ir a casa-de-banho, foi então que nos depará-mos com a casa-de-banho medieval…

Seguimos depois, subindo a aldeia até ao topo..

Passámos pelo ferreiro, e pela igreja que se estava a preparar para mais um dia de festa..

De seguida fomos até a Torre do Relógio..

Lá podemos ver  o símbolo que tornou Monsanto a “Aldeia mais Portuguesa de Portugal”, o que para os monsantinos se reveste de forte simbolismo. A encimar esta construção encontra-se a réplica do Galo de Prata, obtido no concurso do Serviço Nacional de Informação em 1938.

É de lá também que temos uma vista para a Serra da Estrela deslumbrante..

 Daqui a aldeia tem outro encanto..
Subimos mais um pouco com o carrinho de bebé, calçada a cima, o calor já era muito, mas nós queríamos subir até lá a cima..
Já lá em cima, com o carrinho não podíamos subir mais, fomos eu e o Vitor, até a um miradouro de cortar a respiração lá no alto..
Descemos novamente, a fome já apertava, fomos almoçar ao restaurante Petiscos & Granitos, o que se revelou uma má opção para nós pela qualidade e quantidade de comida, em relação ao preço cobrado.
Saímos tranquilos, para mais um passeio por esta magnífica aldeia..
Entrámos numa pequena gruta, por entre as rochas..
Apreciamos a paisagens das varandas das centenas de casas…
Fomos descendo lentamente, a aldeia estava a recuar centenas de anos, era motivo de festa..
A nossa visita por Monsanto estava a chegar ao fim, tinha sido curta a nossa passagem por lá, mas devido às circunstâncias, não podíamos ficar mais tempo…O Pedro precisava de descansar e para ele, nada melhor que entrar no carro e dormir…
Deixávamos Monsanto ao final da tarde, de coração cheio..
Até um dia Monsanto!!