Edimburgo – Escócia

Edimburgo – Escócia

26 Outubro, 2018 16 Por Vitor Martins

Chegámos a Edimburgo, por volta da meia noite, vindos do aeroporto do Porto. Ainda não falámos sobre o aeroporto do Porto no nosso blogue, mas não podemos deixar de o fazer. Nos últimos oito anos, o aeroporto aumentou muito o seu tráfego, em parte devido às companhias low cost. Foram elas que ajudaram a potenciar o turismo no Porto e arredores. O aeroporto sofreu obras de remodelação recentemente, e hoje ainda mais moderno, nada tem a ver com aquele onde em 1998 vi pela primeira vez um avião ao vivo. 🙂

Bom, como iríamos chegar bastante tarde, decidimos dormir num hostel com camas partilhadas, muito mais acessível, e não nos arrependemos. 😉

Cada um de nós tem um cacifo, fechado, onde podemos guardar todas as nossas coisas em segurança. Cada beliche tem três camas, separadas e fechadas com uma cortina. As camas são confortáveis e nelas temos duas fichas para podermos carregar os nossos telemóveis ou máquinas fotográficas, “bens indispensáveis” numa viagem!!

Acordámos cedo, como estávamos do lado mais recente da cidade, passámos a ponte e entrámos na parte antiga.

Se a parte mais recente de Edimburgo data do século XVIII, a parte antiga é muito mais antiga. É considerada Património Mundial da Unesco e guarda lendas inacreditáveis!!

Decidimos neste primeiro dia, fazer um free tour pela cidade a uma das muitas agências que agora nos oferecem esse tipo de serviço. É uma inovação, que já existe há algum tempo, e que serve para podermos ficar a conhecer um pouco mais da cidade e nos podermos orientar mais facilmente nos dias seguintes.

O tour começa num ponto da Royal Mile, praticamente ao lado do antigo mercado, um local extremamente importante na época medieval. Para além de mercado servia também para executar pessoas, ou castigá-las pelos seus actos, muitos deles considerados normais, mas que iam contra o que, quem liderava, defendia.

Este local é histórico, aqui era o centro do que se passava na cidade medieval, quando havia decapitações, ou linchamentos, toda a gente vinha assistir como se de uma festa se tratasse. 🙁

Mesmo ao lado existe a Catedral de Santo Egídio, um local com mais de 900 anos de história e que passou por várias revoluções. Durante a maior parte da história pós-reforma, a Igreja da Escócia não tem tido bispos, dioceses ou catedrais, mas mesmo assim o termo ‘Catedral’ ainda é utilizado. Santo Egídio é a sede episcopal da cidade de Edimburgo. Cinco serviços são realizados todos os domingos, bem como serviços diários e os serviços especiais para o estado e as ocasiões cívicas. O actual ministro (desde 1973) de Santo Egídio é o Reverendo Dr. Gilleasbuig Macmillan.

À porta da Catedral, e espalhadas um pouco por toda a cidade, estava esta bicicleta, faz parte de uma campanha de sensibilização e angariação de fundos contra o cancro, que tanto tem fustigado a Escócia e o mundo. 🙁

No interior, ficámos a perceber, que a Catedral como todas as outras, são muito mais que um simples local de culto. São locais de lazer e aprendizagem para todas as pessoas. Muito interessante esta forma de viver a religião! 🙂

Daí seguimos para o antigo parlamento, que hoje serve como tribunal, onde podemos entrar e apreciar a forma como juízes e advogados se movimentam, conversando sobre os seus casos, no salão principal.

Saímos novamente e fomos visitar a estátua do primeiro bombeiro do mundo. O seu nome é James Braidwood e foi ele que em 1824, fundou a primeira corporação de bombeiros!

Mesmo ao lado, no chão está gravado um coração em pedra. Não se assuste, se ao passar por ali, vir pessoas a cuspir nesse local. Diz que antigamente nesse local ficava uma prisão exactamente onde esta localizado o coração, e era onde aconteciam as principais execuções públicas da cidade, então como forma de repúdio a esse tipo de coisas, as pessoas que passam por ali cospem em cima do coração.

Bom depois de mais uma história, saímos da Royal Mile, e descemos para uma rua de bastante comércio de restauração.

A hora de almoço aproximava-se, e aqui seria o local ideal para almoçar!! Comemos então uma deliciosa sandes de carne de porco assado… Uma verdadeira delícia!! 😀

Este resto de tarde, iríamos visitar o Museu Nacional do Whisky, para uma experiência inesquecível.

E ao fim do dia apanharíamos o comboio até Glasgow, onde iríamos ficar um dia! 😉

Regressámos a Edimburgo no dia seguinte à noite, e ficámos novamente no hostel onde tínhamos ficado dias antes. Por aqui conhecemos um rapaz da Nova Zelândia, que decidiu viajar pelo mundo sozinho. Falamos-lhe de Portugal e ele disse-nos que ficou ainda com mais curiosidade em passar por cá! Bebemos um whisky, e fomos jantar!!

Num ápice, estávamos na parte antiga da cidade, fomos comer as famosas Fish&Chips!!

Esta seria a nossa última noite pela Escócia. Decidimos ir passear pelas ruas e depois ir beber um whisky a um bar.

Pouco depois, estávamos à porta de um dos locais mais emblemáticos de Edimburgo! Por aqui a superstição ganha formas de vida e este é só mais um exemplo disso. Greyfriars Bobby, conta a lenda, foi um cachorro da raça Skye Terrier, que ficou conhecido no século XIX, por ter passado 14 anos guardando o túmulo de seu dono, até sua própria morte em 14 de Janeiro de 1872. Um ano após a morte do cachorro, Lady Burdett-Coutts mandou erguer uma fonte e uma estátua em sua homenagem. Muitos filmes e livros foram baseados na vida de Bobby, incluindo Greyfriars Bobby, de Eleanor Atkinson e os filmes O Fiel Companheiro (Greyfriars Bobby, 1961, Walt Disney Productions) e The Adventures of Greyfriars Bobby (2006).

Quem por aqui passar, e passar a mão no focinho do Bobby terá sorte na vida!!

De seguida entrámos num bar, onde estava a acontecer um “concerto” de harmónicas e por aqui ficámos um pouco a degustar um whisky das LowLands!

Como a noite ainda era uma criança, decidimos ir a outro bar famoso na zona… o Captains Bar!!!

Por lá, estava um rapaz, um pouco “alegre”, que meteu logo conversa connosco. Percebendo que éramos portugueses, contou-nos que tinha passado por Lisboa, Coimbra e Porto, onde iniciou o caminho até Santiago de Compostela! Disse-nos que tinha sido a melhor viagem da vida dele e que queria voltar a Portugal! 😀

Entrámos então no bar, havia música ao vivo. Sentámos-nos bem perto do artista, ao seu lado tinha uma senhora de meia idade, que passados uns dez minutos, canta uma música linda ao som da guitarra, assim do nada!!

Por lá ficámos mais um pouco, seguindo depois até casa, passando por bares míticos da cidade e apreciando o Castelo “assombrado”!!!

Este bar, tem mais uma história rica em misticismo!! Diz-se que aqui, muitas pessoas beberam o seu último copo de whisky, antes de serem executadas no meio da praça em frente…

O dia já ia longo, amanhã seria o último dia por Edimburgo e queríamos aproveitar ao máximo!

Acordámos bem cedo ao som da típica Gaita de Fole escocesa!!

Eles tocam em muitas zonas da cidade antiga e dão uma mística ainda maior à cidade!

Decidimos percorrer toda a Royal Mile, começando pelo magnífico Palácio de Holyrood, onde a Rainha de Inglaterra vem passar parte das suas férias de Verão! Por aqui a Rainha é idolatrada e respeitada como ninguém!

Mesmo na entrada do Palácio existe um unicórnio gigante, como que a desejar as boas vindas a todos!

Ao lado existe o actual Parlamento da Escócia.

Subindo um pouco mais a rua, está o Museu de Edimburgo!

Por aqui, está a história e a mística da cidade, retratada em fotografias ou objectos! A entrada é livre como em todos os monumentos de interesse público de Edimburgo! Aqui a cultura é apoiada a cem por cento! 😀

Uma das suas mais incríveis histórias, é a história do Bobby que já contamos antes e aqui está retratada em destaque no Museu.

Podemos ver também, a história do primeiro bombeiro do mundo, já contada também por nós.

Este museu é enorme, e é um resumo do que foi e do que é esta cidade medieval! Vale muito a pena a visita!

Seguimos subindo a Royal Mile, e logo encontramos outro ponto de interesse!! Uma das casas mais antigas de Edimburgo. Esta casa data de 1600 e foi construída de forma única.

Subimos um pouco mais, já com a certeza de que… <3

Um pouco mais a cima existe outro bar bastante conhecido em Edimburgo…

Era aqui que para muitos cidadãos, era o fim do mundo… daqui não conseguiam sair para lado nenhum!

Depois de uma longa caminhada, apreciando novamente os monumentos onde tínhamos estado, antes chegámos finalmente ao cimo do Castelo!!

A vista em redor impressiona!

Descemos novamente passando pelo Museu do Whisky Escocês!

A hora de almoçar aproximava-se e nós tínhamos de voltar a comer aquela deliciosa sandes de porco!

Com a barriga já composta seguimos vagueando pelas ruas…

Cada esquina da cidade tem uma história, aqui neste bar diz-se que, um conceituado juiz vinha beber antes de proferir as sentenças!

Outra coisa que nos chamou a atenção, foi o facto de existirem casas de habitação literalmente em cima de cemitérios!

Estava na hora de nos despedirmos da cidade antiga. O resto do dia ia ser passado a explorar a cidade “nova”!

Seguimos directos para a colina de Calton Hill! A elevação possui vários monumentos nacionais escoceses e britânicos.

O monumento nacional da Escócia, o Monumento de Dugald Stewart e o Monumento Nelson, estão aqui!

O monumento Nelson é uma torre comemorativa em homenagem ao vice-almirante Horatio Nelson. Está situado no topo da Calton Hill, e fornece uma terminação dramática para a vista ao longo da Princes Street, a oeste. O monumento foi construído no ponto mais alto, a 171 metros acima do nível do mar,  substituindo um mastro anterior usado para enviar sinais para o transporte no Forth.

Ao seu lado existe o Monumento Nacional da Escócia, um memorial da Escócia aos soldados e marinheiros escoceses que morreram nas Guerras Napoleónicas. Segundo a sua epígrafe, a sua intenção era a de ser “Um Memorial do Passado e um Incentivo para o Heroísmo Futuro dos Homens da Escócia”.

Um pouco mais a baixo está o monumento de Dugald Stewart,  um memorial para o filósofo escocês Dugald Stewart. Foi projectado pelo arquitecto escocês William Henry Playfair. Foi concluído em Setembro de 1831.

Foi aqui que comemoramos oficialmente o nosso 50º país visitado!! 🙂

Decidimos ficar por aqui a descansar e apreciar a vista o resto da tarde!

Ao final da tarde e antes de irmos para o aeroporto fomos apreciar o Monumento de Scott, um monumento gótico vitoriano dedicado ao escocês Sir Walter Scott (do qual já falámos no artigo de Glasgow). A torre tem cerca de 61m de altura, e possui uma série de plataformas de observação alcançadas por uma série de estreitas escadas em espiral que oferecem vistas panorâmicas do centro de Edimburgo e seus arredores. A plataforma mais alta é atingida por um total de 288 degraus… É construído a partir de um arenito característico de Ecclesmachan, em West Lothian, chamado de arenito de binny.

Em termos de localização, este edifício está no eixo com a South St David Street, a rua principal que leva a St Andrew Square até Princes Street. É grande o suficiente para ser localizado e visto da Cidade Velha. Visto do lado sul, ao lado dos Jardins Princes Street, sua localização parece mais aleatória, mas domina totalmente a secção oriental dos jardins, através de uma combinação de sua escala e posição elevada em relação aos jardins submersos.

Foi nestes jardins que terminámos a nossa inesquecível visita a Edimburgo!

Estavam a acabar as nossas férias pela Escócia… Adorámos! <3

Já no avião, ao nosso lado ia um casal com dois filhos, que iam de férias para Portugal uma semana. O seu entusiasmo era enorme, eles vinham com outro casal de portugueses que trabalha na Escócia. Mesmo ao meu lado, o rapaz, fartou-se de me fazer perguntas à cerca do país, da comida, do futebol. Engraçado foi o facto de nós fazendo o percurso inverso, ou seja, as férias a terminar, vermos pessoas a iniciar o seu percurso…