Vale de Vinãles – Pinar del Rio – Cuba

Vale de Vinãles – Pinar del Rio – Cuba

7 de Junho, 2019 6 Por Vitor Martins

Depois de vários dias em Havana, decidimos contratar um guia que nos levasse ao Vale de Vinãles. Este lugar mágico fica a cerca de 160 kms e passa por lugares lindos.

Saímos bem cedo de Havana. Na semana anterior, tínhamos falado com um funcionário de uma agência, que nos queria cobrar cerca de 120 pesos cubanos pela agência, mas depois, sugeri-lhe que ele me arranjasse outro mais barato, e ele conseguiu um por metade do preço. 😉

Negociar em viagem, faz com que por vezes, ao fim de uma viagem tenhamos poupado centenas de euros.

Tínhamos então combinado na semana anterior, que teríamos que estar no porto bem cedo, para apanhar o táxi.

Quando começamos a sair da zona de Havana em direção ao interior, as paisagens são magníficas, mas começamos a notar ainda mais, a desertificação e a miséria, se bem que, por aqui ainda podem cultivar ou tirar alguma coisa da terra que tem em sua volta, agora no centro da cidade, nem isso, estão escravos do estado e das mercearias sociais.

O motorista era um pouco calado, estava sempre com medo de falar, mas passado uma hora, já estava ambientado e muito falador. Cedo percebeu que compreendíamos um pouco a sua inquietação.

As pessoas tem muito medo de represálias do “sistema”.

A nossa primeira paragem seria numa “fábrica” de charutos artesanais.

Por aqui, aprendemos um pouco de como se planta, cresce e seca a folha de tabaco, e depois como se faz um bom charuto.

Chegámos aqui sozinhos, mas rapidamente encontramos alguém familiar. Aproximamos-nos, e estava um grupo de franceses para entrar com uma guia, que prontamente se disponibilizou a levar-nos também.

Conversando, percebemos que ela, conhecia bem Portugal e Coimbra, porque tem uma irmã a viver lá. A irmã veio para estudar na universidade, conheceu um português, casou cá, por cá ficou e adora.

Chegámos então à prova do famoso charuto!

Ficámos a perceber que existem inúmeras, plantações de tabaco mais pequenas, que servem como fornecedor à enorme marca Cohiba!

Existem vários tamanhos e formatos de charutos, como não sou apreciador nem especialista, limitei-me a experimentar o que me ofereceram, e soube bem!

A Ana nem sequer experimentou, mas bebeu uma água de coco cubana, que com o calor que se fazia sentir, caiu mesmo bem!

Era hora de partir, não sem antes, fumar mais um pouco do meu charuto cubano, falando com o antigo dono desta exploração.

Eu bem lhe tentei perguntar, se estes charutos, iam para a Cohiba, para lhes meterem os rótulos e serem vendidos por Havana e lugares mais turísticos, mas ele muito educado, fez de conta que não lhe tinha perguntado nada.

À saída ainda tivemos tempo de ver a natureza que rodeava esta “fábrica”, que as mais variadas frutas, na foto um ananás “bebé”!

Tínhamos pela frente mais 45 minutos de viagem até chegar ao Vale de Vinãles! Pelo caminho, fomos falando com o Yailin, e eu sou péssimo a decorar nomes, sobre política.

Engraçado, que eles, acabam por desabafar com os turistas, porque como eles nos contou, os vizinhos, podem denunciá-los, nunca se sabe quem está do outro lado.

Portanto, ele logicamente não concorda, e vai mais longe, diz que com o pseudo-desembargo ainda ficou pior, porque as pessoas pensavam que tudo ia mudar e nada ou quase nada mudou, e isso gerou desilusão e ainda mais revolta nas pessoas. Com esta triste conversa, chegamos ao Vale de Vinãles!!

Apesar de por aqui a natureza estar quase em estado puro, já se nota bastante mão humana, mas no nosso ver muito controlada e perfeitamente enquadrada com a natureza.

A hora de almoço chegou a correr, o Yailin, surpreendeu-nos com este presente!

Este lugar encantador, fez com que por aqui ficássemos mais de duas horas a relaxar. A comida estava ótima, era um frango de churrasco, mas destaco esta banana frita, que nos serviram como entrada. <3

Não queríamos ir embora, mas lá tinha de ser. Descemos então até ao pequeno paraíso na terra!

Decidimos ir ao “Mural da Pré-História”.  Este enorme mural foi pintado em 1961.

A alusão à pré-história no nome do mural deve-se à tela, um dos ‘mogotes’ da região, e não à pintura, que representa a teoria da evolução.

Por aqui ficámos a descansar um pouco e a apreciar a beleza deste lugar.

 

De seguida, passeámos pela aldeia, que se está a tornar uma grande vila, devido ao crescimento de turismo na região. Em cada esquina existem casas para alugar, a maior parte de residentes que alugam quartos das suas próprias casas.

O lindo Vale de Vinãles, é património Mundial da Unesco, e realmente é fascinante!

Fomos beber um café a uma zona mais calma, um pouco mais longe do centro da cidade. Tínhamos de voltar para Havana ao fim da tarde.

Em toda esta região, as terras são cultivadas como no Portugal de há 40 anos atrás.

As juntas de bois, para lavrar a terra, que tantas vezes vi na minha aldeia, estão aqui em grande. Os tractores agrícolas, só são vistos nas plantações de tabaco, que é de longe a maior forma de rendimento dos locais mais abastados.

Este é um lugar lindo! Um lugar onde ainda podemos ver crianças a jogar descalças na rua, mas onde a comida e a água não falta!

Até um dia Vale de Vinãles!