Genebra, Lausanne e a surpreendente Fribourg – Suíça

Genebra, Lausanne e a surpreendente Fribourg – Suíça

2 de Abril, 2019 0 Por Vitor Martins

Chegámos a Genebra, ao início de uma tarde bastante solarenga.

Estacionámos a carrinha literalmente debaixo do famoso relógio de Genebra e fomos explorar a cidade. Por aqui já tínhamos estado há nove anos atrás e as diferenças não são muito notórias, a limpeza e a organização sempre ao mais alto nível. 🙂

A nossa primeira paragem foi a Catedral de São Pedro de Genebra, um local fantástico que é sede da igreja protestante desde 1535. A sua fachada tem um pórtico neoclássico de cortar a respiração!

Mas nós queríamos mesmo era subir os quinhentos degraus que nos levam ao cimo da torre norte e onde se obtém uma vista magnífica sobre a cidade e sobre o gigantesco Lago Léman!

Daqui tudo se torna ainda mais bonito! 🙂

Era hora de avançar, o nosso tempo era curto por Genebra.

Ao caminharmos fomos relembrando o que passámos por aqui em 2010! 🙂

Seguimos pelas ruas desta linda cidade, e pelas pontes sobre o Léman, onde descansámos, bebemos um café e tirámos a foto de grupo em Genebra!

Somos dezassete! Imaginem as viagens de carro, é uma grande aventura, notámos isso na reacção das pessoas, ainda mais em carrinhas de nove lugares com tantas crianças e jovens!

Já estávamos a entrar no último dia, realmente uma aventura estacionar nos parques subterrâneos, passar nas localidades, o que passado uns meses nos valeu duas multas, como já referi no artigo anterior sobre a nossa viagem à Suíça.

Mas valeu cada momento!

A noite estava a chegar e nós, ainda tínhamos de ir à zona mais recente de Genebra, onde está a sede da ONU, da Unicef, da Cruz Vermelha e de muitas outras instituições de grande importância mundial.

Por aqui quase dez anos antes, tirámos uma fotografia semelhante a esta que podem encontrar no artigo de 2010! 🙂

Passámos ainda pela “Cadeira Partida”, que é da autoria do escultor suíço Daniel Berset, e foi encomendada pela organização não-governamental Handicap International para chamar a atenção das vítimas das minas antipessoais, e encorajar as nações a assinar um tratado para proibir o seu uso. Em 1997 finalmente foi assinado e tornou-se conhecido como o Tratado de Ottawa, ou o Tratado de Proibição de Minas.

O resultado foi a escultura de 12m de altura e 5,5t, com a perna esquerda partida ao meio e sobre a Praça das Nações. Era para estar na praça por três meses, mas está lá há quase 20 anos.

Recentemente foi renovado e tornou-se um marco da Genebra Internacional.

O dia já ia longo, e ainda iríamos dormir a meio caminho entre Genebra e Lausanne, tínhamos de deixar Genebra.

Passado cerca de meia hora chegávamos ao hotel, onde tomámos um banho e fomos jantar!

E espantem-se… o dono era português!! O resto da noite foi passado com os rapazes a divertirem-se. 😀

Acordámos quase em Lausanne para o último dia desta nossa aventura!

O dia começaria por explorar a cidade e depois tínhamos cerca de 225kms até Zurique onde iríamos apanhar novamente o avião.

Fomos tomar o pequeno almoço a uma pastelaria muito tradicional e que tinha uns croissants deliciosos, o Pedro que o diga, adorou! 😀

Esta pastelaria como muitas outras tem a particularidade de terem os croissants em cestas como nós temos o pão, normalmente em cima das mesas e depois nós só temos de dizer quantos comemos! Houveram alguns que foram mais de dez!! 😀

Bom de barriga cheia, lá fomos nós explorar a cidade! 🙂

Lausanne é uma pacata cidade à beira do extenso Lago Léman e ainda mais pacata num domingo de manhã!

A Catedral de Notre Dame é sem dúvida o ex-libris da cidade!

Não subimos ao seu topo desta vez, mas visitámos o seu interior. Daqui tirámos a foto da praxe!

Passeámos sempre a pé pela cidade, mas o tempo por aqui estava a terminar, tínhamos combinado em ir visitar uns amigos portugueses a cerca de 70kms daqui. 🙂

Perto da hora de almoço chegávamos a Friburgo, uma pataca e lindíssima cidade,  inserida num vale.

O nosso amigo, estava perto da lindíssima Catedral de São Nicolau, onde nos iríamos encontrar para fazer uma visita. Descemos uma das suas ruas, limpas e cuidadas e parámos um pouco a descansar…

Daqui apreciámos a Câmara Municipal.

Chegámos então finalmente à Catedral de São Nicolau!

Depois de termos encontrado o nosso amigo e a sua esposa, subimos novamente, a rua, mas desta vez de autocarro. O amigo Fernando é administrativo na empresa que gere os autocarros, tínhamos de experimentar!!!

Como era domingo, o autocarro demorou um pouco, já não tínhamos muito tempo, mas o Fernando, ainda fez questão que fossemos a um café português, beber um café e comer um pastel de nata!

Infelizmente tínhamos de sair, esperavam-nos mais 150kms de viagem até Zurique.

Toda a gente ficou triste por irmos embora… 🙂

Pois é, assim num ápice, a nossa viagem estava a terminar, mas antes ainda tinha de nos acontecer mais uma enorme aventura!

Chegámos já em cima da hora do voo a Zurique, minutos antes tínhamos enchido o depósito de gasóleo como o prometido. Já mesmo atestado, verificámos que o ponteiro não estava subido até ao cimo, e para tirarmos as dúvidas, ainda nos demos ao trabalho de parar numas bombas antes e atestar mesmo até ao limite máximo.

Verificámos, que o mesmo, não subiu nada!

Ao entregarmos o carro, depois de quase 1000kms pela Suiça, o responsável pela recepção, não se mostrou muito interessado em saber o porquê do ponteiro não subir. Achei estranho e quis que ele visse com os seus olhos o depósito a abarrotar de gasóleo, ao que ele, me respondeu, que não tinha que ver nada disso.

Logo na altura achei estranho, infelizmente por falta de tempo, não podíamos ir reclamar ao balcão da companhia e claro, passado uma semana, debitaram-nos cerca de 200 euros no cartão de crédito associado.

Decidi começar a reclamar, primeiro via e-mail, depois via facebook, mas ninguém me resolvia o problema. Até que finalmente decidi, falar no blogue, na imagem, até porque nós, estávamos a ser burlados…

Meses depois, recebemos um e-mail tipo, só com o valor a reembolsar em numeração diferente, a pedirem desculpa e a dizer que nos reembolsavam o dinheiro.

Isto aconteceu, depois de muita insistência, o que achamos injusto, pois procedemos sempre com legalidade, enchendo o depósito, e fomos tratados de forma injusta, por isso alertamos para o facto de nunca desistirem, se a razão estiver do vosso lado.

A incrível aventura pela Suiça terminou! 😀

Venha a próxima! 😉